Como dei a entender neste post, eu preciso me organizar. E arranjei um caderninho legal que mostrei neste post aqui.

Isso quer dizer que minha vida ficou mais organizada e que meu planejador pessoal foi um sucesso? Não.

Desenvolvido por Ryder Caroll, o bullet journal serve como um amálgama de diário, agenda, e vários outros cadernos que você possa vir a juntar num só lugar e é bem simples de fazer. 

Recomenda-se um caderno pontilhado, quadriculado ou sem pauta. O quadriculado é mais indicado para aqueles que não sabem desenhar e/ou farias as coisas em linhas mais tortas do que deus é capaz de escrever e não estaria certo.

É um pré-requisito ser paciente também. E praticar um pouco do desapego. Não material, mas o desapego emocional, pois você talvez não consiga, como eu, fazer um décimo do que as outras pessoas fazem com seus bullet journals.

Mas bullet journal não é uma competição de quem faz o mais bonito e é mais uma questão de se organizar da forma mais simples. Não que você não possa ser criativo, mas o objetivo é a otimização do tempo e das tarefas.

Dito isso, o último dia que planejei foi dia 17/01 e ainda não sei quando voltarei a planejar, mas o belo do bullet journal é você ser livre para planejar os dias que você queira, sem o desperdício de uma agenda comum que no dia 18/01 eu teria perdido um espaço nela, já que não fiz nada planejado.

Caso você queira saber como fazer o seu, clique aqui.

Talvez eu precise de um planejador de planejador.

Até amanhã.