Fim de férias pode significar tristeza, volta à rotina, uma nova onda de desmotivação. 

Também pode significar retorno ao desafio diário, principalmente se o ambiente que você transita for receptivo e o que você faça seja desafiador em vários aspectos. Claro que sentirei falta de ficar de papo para o ar, acordar quando quiser, dormir bem tarde, reclamar do calor o dia inteiro, tomar oito banhos, assistir séries grande parte do dia, comer porcaria.

Com a minha nova resolução para este ano que mal começou é me organizar, voltar a ter uma rotina definida é uma âncora para que eu possa me preparar para o início da dupla jornada trabalho/faculdade. Como apenas uma parte dessa equação está vigente, ainda consigo ter um tempo de sobra para o lazer e começar a movimentar meus livros inacabados e alguns textos acadêmicos que preciso ler para aumentar minha visão de mundo e senso crítico, pois tem uma galerinha que é sensacional num certo grupo de pessoas lindas no telegram que me dão baile sempre e fico babando quando eles explicam certos aspectos sociais. Então quero brincar também e debater sadiamente com argumentos.

O que infelizmente não acaba é este maldito calor que não dá ânimo para viver. Chegar ao trabalho parecendo que acabou de dar um mergulho numa piscina não é uma das melhores sensações do mundo. Sem contar que voltou uma condição pela qual não passava desde que não tinha mais de dez anos de idade: brotoejas. É um saco, principalmente se você é uma pessoa com o aquecimento corporal que só trabalha em alta produção o ano inteiro. Um dia hei de me mudar para uma cidade que pelo menos consiga marcar o inverno e o verão seja ameno. Um dia quem sabe.

Algo que quase se esgotou hoje foi a paciência para pegar uma fila de cinema cuja extensão quase cruzou o shopping de fora a fora. O pior nem foi passar uma eternidade de trinta minutos nela, mas foi chegar ao guichê e ter apenas quatro filmes e dois deles eu já ter visto, um de zumbi (a esposa não gosta de filmes de terror) e o único que tinha assento disponível só começaria às dez da noite. Como podem perceber, não ficamos para assistir já que não é legal ficar enrolando mais de três horas no shopping à toa.

Pelo menos a jornada pelo santuário do capitalismo rendeu frutos para minha organização:

Até amanhã.