Foram duas semanas agitadas no mundo dos podcasts. Primeiramente tivemos o Jurandir Filho, do Rapaduracast, sendo altamente classista e criticando o fato de que valores baixos nos ingressos dos cinemas atrairia pessoas pobres que não sabem se comportar e apreciar o cinema. Ele foi altamente rechaçado por várias pessoas, o texto foi apagado e ele escreveu um pedido de desculpas em seu perfil pessoal (apesar de eu achar que ele não está de fato arrependido disso, mas vai saber, né).

E na semana seguinte tivemos um texto da Laura Buu, do Pink Vader, explicando porque o blog dela sumiu de repente. Resumindo: ela reclamou de uma posição machista do Jovem Nerd e outros participantes do Nerdcast e foi duramente atacada nas redes sociais por muitos fãs do podcast. Enquanto isso o Allotoni mandou um pedido de desculpas por email, mas publicamente não fez nada. Recomendo a leitura do texto para uma compreensão do assunto.

Por fim, hoje foi lançado um AntiCast discutindo justamente o problema do machismo no mundo nerd e posição dos podcasters nisso tudo, afinal, querendo ou não, são pessoas que possuem muitos ouvintes que levam em consideração suas opiniões. Tornam-se formadores de opiniões.

Ser um formador de opinião não é algo fácil. Eu sei que tanto a Radiobla quanto o 7 Minutos não tem um alcance de público que o Nerdcast ou Rapaduracast tem. Mas sou professor. Sei que meus alunos e alunas prestam atenção nas coisas que falo. Meu papel, além de transmitir conhecimento, também é fazer eles se questionarem o mundo ao redor, não aceitar passivamente o que falam.

Essa edição do AntiCast provavelmente deve ser a edição mais importante de 2015, seja você um podcaster ou um ouvinte. É importante discutir e refletir sobre machismo, homofobia e tantos outros problemas que existem na sociedade.

Por fim, quero deixar aqui um sincero pedido de desculpas se em algum momento você se sentiu ofendido por algo dito na Radiobla. Estamos sempre dispostos a conversar e em nenhum momento temos a intenção de ofender alguém.