Neste final de semana saiu a noticia de que o Homem de Gelo, da formação original dos X-Men, é homossexual. A descoberta se deu através de uma conversa com a Jean Grey. Essa revelação será publicada na edição 40 de All-New X-Men. Confira nas imagens liberadas abaixo.

iceman-1 iceman-2-e1429652063847iceman-3-e1429652204408

Não somente o Homem de Gelo, como vários outros personagens de quadrinhos são homossexuais. A atual Batwoman (Katherine Kane) é. O Estrela Polar também é e inclusive já se casou (não sei se ainda continua casado). A Mística é bissexual. E vários outros exemplos que poderiam ser citados aqui.

A questão que pretendo levantar é: definir a sexualidade desses personagens tem alguma importância dentro de suas histórias ou é apenas uma jogada mercadológica? Acredito ser bem necessário as editores deixarem claro o quanto a sexualidade do personagem vai ser importante para o desenvolvimento das histórias. Elas pretendem trabalhar questões como aceitação e preconceito?

Vamos trabalhar com uma situação-problema: o jovem Bobby Drake (o Homem de Gelo) assume sua homossexualidade, viaja no tempo e confronta sua versão mais velha e o questiona porque esconde isso? O velho Bobby Drake pode dizer que já é complicado ser aceito como mutante, imagine mutante e gay. Os dois tem um longo diálogo e no fim o velho Bobby Drake resolve aceitar sua sexualidade, não se esconder mais e espera que isso sirva de exemplo para tantos outros jovens homossexuais que escondem sua sexualidade por medo do preconceito. A moral da história é que devemos aceitar e respeitar as escolhas sexuais das pessoas.

Perfeito. Pode ter certeza que vou bater palmas para isso e apoiar.

Mas e depois? Vão trabalhar mais isso? Ou vão fazer igual a DC, que na nova versão do primeiro Lanterna Verde? Para você que não soube o que aconteceu: a DC anunciou em várias midias que o Lanterna Verde era gay. O primeiro, Allan Scott, e que inclusive era casado. E logo no começo mataram o companheiro dele, para força-lo a ser transformar no Lanterna Verde. E depois disso nada mais da sexualidade dele foi levantada. Nada. Pura jogada de mercado, para fazer as pessoas comprarem o gibi. Nesse caso, revelar a sexualidade do personagem não serviu para nada.

Quero deixar bem claro aqui que não sou contra a existência de personagens homossexuais. O que eu questiono é que a revelação dessa característica vai ser trabalhada nas histórias, de forma a ajudar as pessoas a aceitarem as diversas opções sexuais que existem. Se não vai interferir em nada, podemos dizer que é igual a saber o tipo sanguíneo de personagens de jogos de luta.