Richarlysson atuou no São Paulo entre 2005 e 2010 e seu nome não era gritado pela torcida adversária só e somente por causa da sua opção sexual. Ao contrário de muitos comentários, não acho que ele seja um jogador ruim mas também não é um jogador excelente. Ou seja, ele cumpria a sua função de lateral quando era solicitado. Mas para a preconceituosa torcida organizada tricolor, era um péssimo jogador só por causa da sua homossexualidade.

Agora em 2013 o Sheik, jogador do Corinthians, teve a grande chance de novamente provocar o futebol brasileiro. Ele publicou, em sua conta do instagram, uma foto dando um selinho em seu amigo Izaac Azar. A foto em questão foi tirada após a vitória do time paulista sobre o Coritiba.

7bc9d74f-2cb9-439f-9e26-1452ecd17faf_emersonsheik-instagram

Pois bem, tal foto mexeu com a tão frágil sexualidade das torcidas organizadas. Incapazes de aceitar, começaram a criticar ferozmente o jogador, dizendo que “no Corinthians não é lugar dessas coisas”. Novamente, como se a sexualidade do jogador influenciasse diretamente sua qualidade. Pegador de mulher = “puta jogador de futebol!”, Prefere homens = “futebol não é coisa de bicha, viado, gay!”

As declarações do Sheik foram no sentido de “deixa de besteira, galera, foi só um selinho em um amigo, eu ainda prefiro mulher e preconceito é coisa de gente ignorante!”

Isso não importou para a torcida organizada. As agressões continuaram. A ponto do jogador retirar a foto da internet e, após uma reunião com representantes da Gaviões da Fiel, deu a seguinte declaração:

Não poderia ter feito isso, foi sem intenção, mas jogo em um clube de futebol, em um mundo cheio de rivalidades e provocações, qualquer comentário é motivo de chacota. Lamento se ofendi a torcida do Corinthians, não foi a minha intenção. Foi só uma brincadeira com um grande amigo meu, até porque eu não sou são-paulino.

Emerson Sheik poderia ter saído dessa como herói, como o cara que teve coragem de provocar a frágil sexualidade do futebol, mas preferiu ser mais um babaca ignorante e reprodutor da intolerância já existente nesse esporte. Infelizmente.