Quase desde o começo do ano, eu e a Dona noiva decidimos encerrar nosso contrato com o provedor de internet o qual usávamos. O serviço era péssimo e a velocidade prometida não chegava nem na metade do contratado. Mais por conveniência financeira do qualquer outro motivo, sabe como é, casamento chegando, cancelamos aquela budega. Mas outro motivo acabou se mostrando tão relevante quanto:  queria ver se eu sentiria tanta falta da internet.

E para minha maior surpresa, foi não ter sentido a falta de estar conectado a todo momento. E os prós foram tantos que se eu tivesse sentido falta, ela seria esmagada por eles. Para que vocês tenham uma ideia, conversei muito mais com a futura esposa, li dois livros, ouvi mais música, socializei mais. Até escrevi umas cartas para uma amiga, ela ainda não respondeu, mas faço votos para que ela responda ainda neste milênio.

Principalmente no meu twitter eu vejo pessoas que não se deslogam nunca, na verdade, somente quando dormem, por vezes nem dessa forma. Tudo bem que o twitter para mim sempre foi mais um meio de compartilhamento de informações do que “rede social”. Para me relacionar com as pessoas eu uso meu facebook.

Lógico que eu não fiquei sem acessar, é como se eu estivesse numa rehab da vida, entrava bem de vez em quando pra ler e-mails e claro, dava uma passadinha no facebook. Tudo isso de manhã quando eu chegava do trabalho e muitas vezes capotava de sono antes de fazer tudo, sem contar que depois de ver e-mails e olhar as atualizações do facebook, eu não tinha o que fazer na internet. Mas do twitter e outras muitas redes sociais não senti falta nenhuma.

Sem contar que o campeonato da série B de rugby fluminense (entenda estado do Rio de Janeiro) começou e o time do qual faço parte está participando. Inclusive joguei um jogo, porém fui tão mal que depois será contado em outro texto.

Essa minha experiência não foi inovadora, todo mundo conhece alguém que já fez ou passou por isso, mas a mensagem continua a mesma. Vivam mais, prezem os contatos sociais que você tem perto de si. Tenho ótimos amigos virtuais que só continuam virtuais por conta da distância, mas não esqueça, até se você tivesse nascido na matrix, ainda seria real. Não esperem o Morfeu vir com as pílulas.