Já vou começar o post de hoje acusando: a culpa é da cerveja! Esta maldita, deliciosa e geladíssima cerveja que estou bebericando há umas quase duas horas (aos cri-cris, não é a mesma cerveja durante todo o tempo, copy!?).

Acusações devidamente efetuadas, vamos ao assunto: PONTES!

Pontes são estruturas criadas para ligar dois pontos que, em condições naturais, não estão ligados. Pontes sobre penhascos, sobre rios, sobre ruas, sobre tudo que a tecnologia da engenharia humana permitir, existe ponte.

Fazer uma ponte dá trabalho pra cac*te!! Tem que encontrar dois pontos firmes, um de cada lado do trecho a ser coberto pela ponte. Depois, se houver a possibilidade, definir os pontos intermediários. Depois estudar que material irá compor a estrutura da ponte, baseado no trânsito que irá ocorrer sobre ela, peso, etc… Enfim, é trabalhoso! Só de pensar, dá uma preguiiiça!

Relações humanas, duradouras principalmente (mas não “apenasmente”), são comparáveis às pontes:

– há dois pontos desligados a serem ligados: os tais seres humanos;
– é preciso encontrar um ponto em cada um deles que seja firme para criar um alicerce para a relação;
– encontrados os dois pontos, é necessário encontrar o máximo de pontos intermediários possíveis. Quanto mais pontos firmados, mais firme a ponte/relação;
– não pense que a ligação entre os dois pontos estará sempre destacada, visível e clara, há elos que estão ocultos (submersos) à primeira vista;
– pontes são inversamente proporcionais à relações-humanas na questão distância: quanto maior a ponte, pior a relação;

 

Dito isto, vou ali fazer manutenção em algumas pontes, antigas e recentes.

 

Saúde, paz e sorte à todos!
@BetoPatux