Hoje, sete de janeiro de 2012, eu acordei me sentindo um pouco mais velho. Sim, envelhecemos um pouco a cada dia que passa, mas especialmente hoje me senti mais velho. Não que tenha sido meu aniversário (ainda está longe pra dedéu), mas sim porque o blog envelheceu um ano.

É o meu relacionamento mais duradouro até então. Não sei dizer precisamente onde termina o blog e onde começa o dono. Talvez seja o melhor espelho que eu tenho, pois ele acaba refletindo como eu penso, o que eu sinto, como sou e – provavelmente – como eu serei.

Em cinco anos nunca precisei apelar para o mundo rasteiro, nunca precisei apelar para a pornografia explicita, nunca precisei colocar tantos anúncios a ponto de parecer um macacão de Formula 1. Ele também nunca teve uma audiência gigante, nunca apareceu nas listas de melhores blogs do Brasil.

Tal qual o seu dono.

Mas então qual é o charme deste blog? Simples: ele é único. Tal qual seu dono.

Você pode vasculhar a vontade na internet, mas não achará um blog igual a este. Talvez similar, mas não idêntico. Pode soar prepotente, mas não é. Este blog já acertou muito, já errou muito, já mudou muito (uma metamorfose ambulantes, como diria Raulzito). Assim como eu. Foram os cinco anos que mais mudei meu jeito de ser e de pensar e isso foi refletido aqui, neste blog.

Talvez você goste daqui, talvez não. Não obrigo ninguem a gostar, nem tento empurrar conteudo garganta abaixo. Os textos aqui simplesmente fluem. Como deve ser.

Por isso estou feliz neste sete de janeiro de dois mil e doze. E que este relacionamento dure o resto de minha vida.

ps.: obrigado a todos que colaboram, leem, comentam e, que de algum modo já deixaram sua marca em minha vida e na vida deste blog.