Este post iria ter somente um adendo do porquê do atraso dos posts, porém acabou virando tema mesmo.

Não desisti, muito pelo contrário. Aconteceram bastantes coisas interessantes na minha pacata vida e tive ideias de temas para falar sobre. Porém a maldita da gripe, adicionada a tosse me pegaram de jeito.

Geralmente eu começo a perceber que vou gripar pela garganta, ela é o meu medidor de saúde e também por sentir frio no trabalho. Todos os meus colegas se batem de frio durante o expediente enquanto eu fico bem susse querendo mais frio. Minha garganta quando começa a ficar mais seca, parecendo que tem rolamento de caminhão ao invés de amígdalas, já sei que doença está chegando.

Quando eu era menino, as piores doenças que já tive (no ponto de vista de um menino, lógico) foram catapora e caxumba. Catapora porque me coçava tal qual um cão sarnento num ninho de pulgas e a caxumba por ficar como uma pessoa com bócio e não poder brincar por ter medo de descer pro saco. (Nas meninas descia para a bunda?)

Ficar doente quando se é criança é mole, ou menos pior, pois você só perde uns dias de brincadeira, na verdade é até legal quando você não tem de ir para a escola, mas quando se é adulto, tem de trabalhar, fazer comida, cuidar da casa, cuidar de si mesmo, até porque a fada madrinha não mora mais com você e nada surge de outra dimensão paralela para te ajudar.

Outra coisa que me incomoda é que quando fico doente, todos me mandam procurar um médico. Caramba, é só um resfriado, só não costumo ficar doente com fequência e como já tenho histórico de resmungão, reclamo o tempo todo, convenhamos, ficar doente é um saco (No caso da caxumba, um sacão.) sem contar que eu tenho relutância em ir ao médico e tomar remédio. Se fosse uma coisa mais séria eu saberia, pois não me recuperaria em no máximo em uma semana e se eu sentisse outros sintomas, além dos quais já estou quase careca de saber, a primeira atitude que eu teria, seria procurar um médico, pois não sou profissional de saúde, mas sei quando eu estou doente e aí sim ele me receitaria um medicamento e eu, claro o tomaria com prazer, pois quero me curar de quaisquer infermidades das quais possa estar sofrendo. Sem contar que justamente nessa hora, aparece um monte de médicos de fim de semana e falam para tomar um montede remédio. Gente, a única coisa que arrisco a me automedicar é aspirina para dor de cabeça, assim mesmo, só quando ela não passou em seis horas.

Por fim, já estou melhor e vou continuar a escrever. Inclusive prefiro alongar o prazo de postagens, ao invés de encher o blog com posts num só dia. Então saibam que essa série só termina no MCP#30.

Tomem vitamina C.