O pior da orkutização dos celulares com tocador de música é que o pessoal que tem mau gosto musical ADORA ouvir seus funks bem alto no ônibus ou no metrô, acabando com a paz de todos que estão no interior dos transportes públicos Brasil adentro.

Ontem mesmo eu presenciei uma situação dessas no ônibus, onde um elemento ouvia “músicas de rave” em seu celular em altos decibéis, até que, num dado momento, uma mulher que estava sentada atrás de mim gritou “Ô, cara, dá pra desligar essa música aí? Não tem fone de ouvido não? Que falta de respeito!”, e nisso duas senhoras que estavam sentadas perto dela, do outro lado do corretor, “mugiram” em aprovação. E cês acham que adiantou? O cara, só de birra, colocou a música a todo o vapor. Só faltou a balinha mesmo. E as mulheres continuaram reclamando: “Não sou obrigada a ouvir esse tipo de música”, etc, interpelaram ajuda ao cobrador, que só ria. Também, ele iria fazer o quê se aqui não tem lei contra isso?

O que eu achava legal em São Paulo é a Lei Municipal 6681/65 que proibe o uso de aparelhos sonoros no interior dos coletivos. Porra, em 1965 já tinha esse problema? O pessoal ouvia demais radinho à lenha naquela época pra aprovarem essa lei. Claro que nem sempre essa lei (como qualquer outra em Terra Brasilis) é respeitada, mas particularmente a minha pessoa não se incomodou muito nos 10 meses que morei na Paulicéia Desvairada com esse tipo de problema.

Por que o resto do país não decreta uma lei que proiba o uso desses infernos portáteis que tocam funk dentro dos ônibus? Poluição sonora é algo tão desconfortável nos dias de hoje, já não basta a barulheira na rua, do trânsito, e ainda a gente tem que lidar com o mau gosto musical da galeria do fundão. Por que cês não usam fones de ouvido, cambada de ogros?