Eis uma criança que merece um prêmio por mostrar aos adultos que algumas diferenças pode causar uma estranheza inicial, mas, depois de aceitas, não há a necessidade para preconceito. Basta pensar em “ok, isso pode acontecer e eu posso conviver com isso em paz”.