Este album foi lançado no meio do ano passado e me bate um arrependimento e ao mesmo tempo um alivio não o ter ouvido na época do seu lançamento.

The New Pornographers é uma banda canadense que em pouco mais de dez anos de atividade já alcançou um status de supergrupo indie. Isso porque todos os membros da banda possuem excelentes trabalhos paralelos, destancando Neko Case e Carl Newman. E também pode ser chamado de supergrupo por possui oito integrantes. Ou seja, é muito talento para uma banda só. Esse monte de gente talentosa poderia estragar tudo, mas, ainda bem, não é o que acontece aqui. As músicas são complexas em suas estruturas porém de fácil assimilação para quem ouvir. Ou seja, se The New Pornographers fosse um time de futebol, seria um time coeso mas que consegue dar espaço para que cada jogador possa se destacar.

E com isso a gente volta ao primeiro paragrafo deste texto. Together é um album feliz. Estranhamente feliz. É aquela felicidade que vem depois da melancolia. Pode soar paradoxal, mas é uma felicidade agradável, que te faz sorrir e ao mesmo tempo te deixa com os pés no chão. Quando você deixa de procurar culpados e simplesmente aceita o fato de algumas coisas só não deram certo. Together casa perfeito com minha atual situação, mas não vejo isso como fator determinante para que eu tenha gostado do álbum. Talvez se eu tivesse ouvido ano passado não teria apreciado com fiz agora.

É um album muito bom, redondinho. Não digo se seja perfeito, mesmo porque perfeição é um termo altamente discutivel e variavel. Nesse caso eu concordo – em partes – com a Pitchfork ao dizer que a Neko Case foi sub-utilizada, mas não é algo que atrapalhe ou tire o mérito. E por ser um album tão agradável que bate o arrependimento de não o ter ouvido no lançamento.