Caso você pretende falar de desenvolvimento econômico, é imprescindível falar de sustentabilidade. A cada 10 artigos ou reportagens sobre o tema acaba citando a importância da sustentabilidade. E eles estão certo, afinal, estamos em um momento em que isso é importante. Muito se discute a necessidade de um novo modelo de desempenho econômico e e financeiro que consiga um equilibrio dos indicadores socioambientais. Porem precisamos tomar cuidado porque sustentabilidade está virando um alivio de consciência quando na verdade ela precisa ser uma filosofia de vida.

Lembro de uma saída de campo, numa disciplina sobre planejamento urbano, onde fomos a aterro sanitário perto da cidade de São Paulo. Me foge agora o nome do aterro, mas o funcionário-guia fez uma boa reflexão sobre a reciclagem: “de que adianta reciclar se o consumo está aumentando?” E reciclagem entra no conceito de sustentabilidade, afinal, você está reutilizando algo.

Então vivemos um paradoxo: nunca se falou tanto em sustentabilidade ao mesmo tempo nunca se consumiu tanto. Veja, por exemplo, no caso dos celulares:  as pessoas trocam rapidamente o aparelho ao sinal de qualquer novidade, qualquer atualização. O seu celular servia tranquilamente ao seu propósito, até que é lançado um modelo que faz massagem na sua mão enquanto o segura. Aí começa a loucura para trocar o aparelho: “ah, mas esse novo modelo vai me ajudar  muito!”.

Mas será que você realmente precisa tanto dessa mudança? Você não fazia a mesma coisa antes? Será que não é uma necessidade criada por você para justificar a vontade de consumir? Afinal, ninguem quer ser o atrasado nessa sociedade da troca de informação, não é?

Precisamos é mudar nossa filosofia. A sustentabilidade não pode mais ser vista como um alivio de consciência, algo que pode ser exemplificada na frase “dar o tapa e depois assoprar”. O modus operandi do capitalismo não funciona mais em tempos que estamos colocando em xeque os recursos do planeta. Apesar das previsões boas e ruins acerca do futuro, todos chegam na conclusão de que a mudança se faz necessária.

Mas esse texto todo pode ser resumido de modo simples, mas sem perder a sua verdade: controle seu impulso consumista e aprenda a reutilizar.