Nada.

Por acaso esse é um recurso que muitos escritores, blogueiros, romancistas, cronistas e qualquer um que ouse utilizar sua criatividade para criar textos, romances etc.

O branco criativo é uma praga que vez ou outra acomete as mentes pensantes, algumas nem tanto, porém para alguns não é algo a ser temer, até porque  a própria falta de assunto se torna O assunto e com isso temos a oportunidade de ler textos incríveis retirados diretamente do ócio criativo.

No caso deste pseudo escritor que vos escreve, some o branco com uma preguiça incomensurável e várias ideias. Como resultado temos um colunista procrastinador que de vez em quando tem um surto e posta vários textos com espaço de tempo bem curto, porém não são comentados e isso, acreditem, contribui para que ele seja mais preguiçoso e mais procrastinador do que nunca.

Não ter nada a dizer pode ser até melhor do que falar besteira, antes um procrastinador do que um prolixo. O interessante é que a palavra prolixo sempre me lembra “pro lixo” e geralmente quem é prolixo, ou enchedor de linguiça, pode ser jogado no lixo.

Posso não ser um gênio da literatura, mas este branco me possibilitou duas coisas que não faço há tempos: Escrever no meu caderninho de notas (o texto foi escrito lá e nesse exato momento estou lendo-o e editando) e postar no blog. Agora é só aguardar as novas loucuras que meu ócio me trará.