O que há em comum entre a Unicef, a Billabong e os White Lies? Dois dias depois eu ainda me faço essa pergunta, mas posso dizer com certeza que foi um evento pra fechar dignamente o ano em que os paulistas viram o maior número de artistas internacionais andando por aqui de uma só vez.

O show fazia parte de uma festa chamada “Design for humanity”, parceria entre várias empresas cujo objetivo era levantar fundos para instituições em SP e RJ ligadas ao projeto Plataforma dos Centros Urbanos. Algumas exposições dos artistas envolvidos no projeto e um desfile para o lançamento da coleção outono/inverno deram início à noite. Por volta das 23h a banda subiu ao palco. O vocalista Harry McVeigh agradeceu a presença dos mil felizardos que depois de SWU, Planeta Terra, Paul McCartney e tantos outros shows ainda tinham 95 reais (em dinheiro!) para apreciar a primeira vinda dos ingleses ao Brasil.

Abriram a apresentação com um de seus grandes sucessos, “A place to hide”, seguida de “Holy ghost”, “To lose my life” e o mais novo single, “Bigger than us”, cantado a plenos pulmões pelos fãs. A divulgação do novo CD, Ritual, tem sido feita exaustivamente, e o resultado apareceu com a agitação de todos quando começaram os primeiros acordes. Acho que nenhum deles imaginava que o público brasileiro fosse tão eufórico.

“Peace & quiet”, “E.S.T.” e “From the stars” vieram antes de outra das faixas novas, “Strangers”. Na metade do tempo em que não cantava de olhos fechados, o frontman passeava os olhos por todos os lugares, dando aos espectadores que gritavam seu nome a atenção esperada.

Entre uma e outra música houve troca de instrumentos e muitos olhares e sorrisos entre os integrantes. O entrosamento entre o baterista Jack Lawrence-Brown e o baixista Charles Cave era nítido, até o próprio Harry deixou o microfone em uma das músicas e foi para o fundo do palco se divertir junto com a “cozinha”.

Já nas músicas finais pudemos ouvir “Unfinished business”, “Farewell to the fairground”, “Power & Glory” (do novo CD) e “Death”. Nessa hora além dos gritos histéricos alguns fãs se aventuraram a subir na passarela, dando trabalho aos seguranças. Ao final da última faixa um rápido agradecimento e os outros integrantes já iam saindo do palco, deixando Harry desconcertado, gesticulando e pensando: “Ué, ninguém vai dar tchau?”

Se houvesse um bis, provavelmente seria a música “Love Lockdown”, cover de Kanye West. Dentro de uma hora de apresentação dividiram o repertório entre as músicas do álbum “To lose my life…” de 2009 e “Ritual”, que vai ser lançado em 17 de Janeiro de 2011. Esperamos que eles voltem em breve para apresentar mais das novas músicas e que dessa vez sobre um tempinho no meio do show pra apresentar a banda.

Sarah Kelly (@sahkelly) é jornalista e teve ajuda da Mariana (@les_jours), que foi a responsável por fazê-la conhecer o White Lies.

***

Minha amiga Sarah Kelly foi a um show e carinhosamente fez esta resenha. Eu publiquei por duas razões: ela é minha amiga e ela é ruiva natural.