Dizem que os nigerianos são hoje os maiores produtores de cinema do mundo, em quantidade. Segundo o Creative Commons, são produzidos cerca de 1200 filmes por ano, contra 900 de Bollywood (Índia) e 600 de Hollywood (EUA) – dados que vi em um documentário do Creative Commons, Good Copy, Bad Copy, mas tenho preguiça de confirmar.

Mas fato é que a qualidade é sofrível, chegando ao nível do trash. E de cinema trash eu gosto. É o melhor tipo de filme para assistir depois de 3 litros de Heineken com os amigos. Inspirado em um artigo da Vice com o subtítulo Cristãos nigerianos fazem os melhores filmes para assistir chapado, listo minhas recomendações de filmes trash nacionais e estrangeiros, recentes ou muito antigos, para assistir quando está com a casa cheia de gente muito louca de qualquer coisa e/ou just for lulz:

Black Dynamite

Esta pérola de 2009 para mim é uma prévia do que será Machete. Não é bem um trash, mas o climão retrô e cenas absurdamente mal-feitas propositalmente tornam a coisa divertida a um ponto épico. Michael J. White (que foi ninguém menos que Spawn nos cinemas) é Black Dynamite, um nigga mothafucka ex-agente da CIA, mestre de kung-fu e pegador do mulherio, que volta a combater um grupo de tráfico após a morte de seu irmão caçula. Tramas, black music, climão 70’s, gostosas e o fantasma de Abraham Lincoln são a receita de sucesso – quase como naquele episódio em que Homer Simpson e Mel Gibson gravam um filme juntos. Para mim, só faltou o Mr. T.

666: Beware the End is Near

O filme citado na matéria da Vice é de fato um primor trash. Dirigido pelo Pastor Kenneth Okonkwo, a.k.a. herói do filme, a trama se resume à vinda de Lúcifer para trazer seu filho à Terra. Lúcifer é tipo um rei Momo canastrão que solta lasers pela mão e diz “Eu vou dominar o mundo” rindo (de verdade xD) enquanto suas p*tas malvadas riem. A criança – um Damian nigeriano – com seu chifrinho colado na testa, fuma, bebe e pega o mulherio geral. Trepanação, lasers e chroma key, e no fim um cristão tem os olhos arrancados por um vácuo e um outro diz para nos arrependermos pois o fim (do mundo, não o do filme) está chegando, e ninguém gostaria de ter seus olhos sugados.

King Kong vs. Godzilla

Um dia na faculdade alguém baixou e esqueceu de apagar a Batalha do Século! Dois gigantes se encontram para talvez o primeiro crossover dos cinemas: Godzilla, terror de Tóquio e lança-chamas reptílico defenderá sua terra natal contra o infame King Kong, titã primata e agora DEUS DOS RAIOS. Um duelo colossal no melhor estilo “cai pra dentro que é tapa na cara”. Esta pérola é de 1962, e me faz pensar como os criadores de maquetes deviam ficar p*tos por gastar horas de trabalho criando uma minicidade perfeita para dois cretinos fantasiados rolarem em cima dela como um pornô interespécies.

Mega Piranha

Eu me pergunto como as emissoras de TV pagam para estas coisas serem produzidas. Dos mesmos produtores de Mega Shark vs. Giant Octopus e A Mulher de 15 Metros de Altura, o filme aborda piranhas amazônicas terrivelmente vorazes, que saem comendo o que encontram pela frente. Só que conforme vão comendo, elas vão aumentando de tamanho, tornando-se um risco à humanidade (a.k.a. Estados Unidos). Chega ao ponto ridículo de uma piranha engolir um HELICÓPTERO DE GUERRA inteiro de uma só vez.

Pensando bem, deve ser divertido 1) fazer filmes assim e 2) ter gente que pague para você fazê-los.

Cinderela Baiana

Pra fechar, uma produção orgulhosamente brasileira. Eu pensava em colocar um filme do Petter Baierstoff, como O Monstro Legume do Espaço ou Vadias do Sexo Sangrento. Mas estes são filmes para aplaudir comparados com o nível de tosquice de Cinderela Baiana. Com o grande talento de Carla Perez, nem a participação de Lázaro Ramos fez o filme ser levado a sério. Além de ter a considerada pior cena de luta da história do cinema, Carla Perez fecha a pérola dando uma lição de moral, libertando passarinho e chutando a canela da UNICEF antes de cair no axé, tudo na mesma cena.


Ah, sim. Sou Thiago Ferronatto, novo colaborador do Blablaísmo. Sou de Porto Alegre, mas vivo em Buenos Aires. Já trabalhei com Converse e Vice Magazine, e hoje trabalho em um estúdio de social games onde minha função é derreter neurônios de crianças com jogos de Orkut. Provavelmente falarei mais de música internacional desconhecida e cinema, entre outras coisas. E já li todos os 6 volumes de Scott Pilgrim. :)

ESCRITO POR Thiago Ferronatto

Gaúcho morando em Buenos Aires. Game designer e content designer para jogos sociais. Atualmente trabalhando em três novos projetos de jogos. Viciado em cine trash, café e viagem no tempo, e sabe a diferença entre "espresso" e "expresso".

17 Comentários

Pê.

Sensacional! Tomei gosto pelo trash assistindo fome animal há alguns anos atrás e com muita vodca. Definitivamente o melhor gênero!
Um produção respeitável nacional que não pode passar batida é Pepa Filmes. São da antiga porém memoráveis.

Reply
Wagner Brito

Caracas, a Pepa Filmes é sensacional. Assisti algumas peróla s na internet.

Reply
Thiago Ferronatto

O primeiro da Pepa Filmes que vi foi “O Shaolin”. Era sensacional! xD

Reply
Mitch

Caraca, Pepa filmes é crássico. Eles gravavam aqui no Grajaú. O melhor mesmo é o monstrengo “Só quero uma coisa… Seu boné: MAIS OU MENOS ASSIM TÃNà Nà Nà NÔ

Reply
Pê.

Pois é, quase todos os curtas do pepa foram gravados no grajaú.
Monstrengo e Shaolin são clássicos demais!

Reply
Wagner Brito

Cara, um dia liguei a tv – na madrugada – e infelizmente não lembro qual era o canal, mas passava King Kong vs Godzilla. Que filmaço, que filmaço!

Reply
Thiago Ferronatto

Godzilla vs. King Kong é genial! King Kong ganhar o poder dos trovões para lutar contra o Godzilla foi sensacional de tão ilógico! Mas sempre torci pelo Godzilla

Reply
Gilgamesh

Hahaha…Que lista, hein?
Tbm quero muito assistit Godzilla vs. King Kong, mas um que COM CERTEZA nunca vou é “Cinderela Baiana”! u_u
Ah! E seja bem-vindo, Thiago! =D

Reply
Marianna Seixas

Sempre tive uma queda pelos trash, e adorei a lista.
Mas nunca tinha visto um filme considerado trash nacional como a “Cinderela Baiana”. Mas tem um filme, que eu nao sei se posso chamar de trash, nacional que eu achei bem trash meesmo. “Saneamento Básico, O Filme. Um dos filmes mais sem noção que eu ja vi, e contando com Wagner Moura no elenco. Vale a pena conferir

Reply
isa

eu tbm gostei desses filmes mas os meus favoritos do gênero são fome animal e vampires girls vs frankistne girls os melhores filmes trash do mundo!

Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *