Cá estou eu a inaugurar mais uma seção aqui no Suruba. Em cada Surubando você terá uma análise de um álbum de qualquer banda/cantor sob a visão de quem estiver escrevendo.

Chega de papo e vamos ao que interessa:

Esse ano o duo The Black Keys, lançou seu mais novo álbum: Brothers.

Estava ansioso para ouvir a continuação do trabalho deles depois de ouvir de cabo a rabo o ótimo Attack and Release. Neste novo álbum eles continuam com a acertada opção de incluir outros instrumentos, o que deve ser difícil fazer num show sem a ajuda de um time de bons músicos. Dá para percerber o amadurecimento musical dos caras nesse álbum, toda aquela rebeldia e energia que por vezes parecia desperdiçada por ser abundante, agora se transforma num som redondo, meticuloso e pensado. Não que eles perderam a mão ou deixaram de ser aqueles carinhas do ínicio quando eram uma banda de garagem, agora eles sabem dizer da forma que querem as coisas que querem, sem deixar de ser ácido, mas com aquele jeitinho de dor de cotovelo característico do blues.

Vamos às faixas: (Estão na ordem que meu iTunes diz que está)

1 – Everlasting Light – Uma ótima música para se começar um álbum. Os vocais de Dan Auerbach estão muito bons e empolgam.

2 – Next Girl – Blues sujão,acabou me lembrando de um um amigo idiota meu. Fala de um carinha decepcionado com sua ex e de como queria que fosse a próxima, nada igual à última.

3 – Tighten Up – A música de trabalho. Deixo a descrição por conta do ótimo clip (como de costume) abaixo:

4 – Howlin’ For You – Começa com um riff que lembra e rivaliza com o do guitarrista do The Dead Weather Dean Fertita, muito bem executada. Destaque para o lálálá bem interessante na música, além dos teclados.

5 – She’s Long Gone – Outro riff que cola na mente, destaque para a bateria simples mas cativante de Patrick Carney.

6 – Black Mud – Guitarras psicodélicas chamam para uma ótima oportunidade dos músicos mostrarem suas performances num instrumental viajante.

7 – The Only One – Mais uma música mais calminha, com vocais suaves emulando uma viajem de lsd (apesar de nem saber como é, imagino que seja assim).

8 – Too Afraid to Love You – Os teclados muito bem empregados fazem a diferença.

9 – Ten Cent Pistol – Outro blues gostoso de ouvir, destaque para o solo.

10 – Sinister Kid – A introdução não sei porque me lembrou de CAKE, talvez eu esteja ouvindo CAKE demais!

11 – The Go Getter – Uma que começa um tanto quanto sombria, mas logo se descobre que esse era o intuito deles e fica muito bom!

12 – I’m Not the One – Mais uma música bem iniciada com os teclados aliado a bons arranjos de guitarra, vocal mais bluezeiro do que nunca! Destaque para o coral.

13 – Unknown Brother – Música feliz para se ouvir no domingo, bebendo aquela cerveja na varanda e aquele calor sendo aplacado por uma leve brisa e esta música tocando ao fundo.

14 – Never Give You Up – Por um Gonna não se tornou o título da pegadinha da estação passada. Pegue essa música, insira numa rádio dos anos 60 e você não notaria a diferença das músicas da época: boas e cativantes.

15 – These Days – Uma música bem tranquila, uma ótima música para se despedir. Quase uma canção de ninar. Uma boa pedia para você dançar agarradinho com o seu amor.