É reggae? É jazz? Não. É tryo!

No longínquo ano de 2003 o filho da minha madrinha, um francês boa praça, estava por aqui fazendo doutorado e me chamou pra morar com ele uns tempos. Lembro que no primeiro dia que eu estava lá ele colocou pra tocar no notebook uma banda, que no começo eu achava que era um reggae, mas percebi que os elementos de reggae não eram a totalidade, jazz tão pouco. Depois de um tempo eu descobri que se tratava de musette (que procurando por aí descobri se tratar de um dos nomes da gaita de fole), se bem que essa descrição é apenas uma tentativa de descrever o indescritível, só mesmo ouvindo para tirar suas conclusões.

Recentemente no site dos caras descubro que eles estão em uma turnê pela Amérique du Sud e vejo que os caras não aparecerão por aqui. Infelizmente.

Na minha opinião o melhor CD da banda, o recomendável para se começar a ouvir Tryo é o álbum Mamagubida lançado em 98. Um acústico muito bem gravado, e pela empolgação da galera você nota o sucesso que fazem na terra da baguete. Uma curiosidade: O nome desse CD é feito pelas iniciais dos nomes dos integrantes AND do produtor (MAnu, MAli, GUizmo, BIbou, DAnielito).

No meu francês enferrujado eu percebo umas ironias políticas nas letras, e quando eu cato a tradução percebo que as letras são boas mesmo. O mais legal é que eles também são excelentes músicos

Discografia:

1998: Mamagubida
2000: Faut Qu’ils S’activent
2003: Grain De Sable
2004: De Bouches à Oreilles (live)
2008: Ce Que l’On Sème
2008: Sous les Etoiles (live)

E como de costume, algumas das melhores canções deles:

E a bônus track (romântica)