Tentar controlar o incontrolável é impossível. Nós tentamos fazer planejamentos de nossas vidas para que tudo sai perfeito, mas nos esquecemos que as relações sociais são incontroláveis, isto é, não podemos prever os comportamentos e reações que as pessoas têm. Há momentos de incerteza e supresas em que a ação seguinte é imprevisível.

Tentamos também controlar o tempo, entretanto, ele é independente de nós. Como então prevê-lo? E como  controlá-lo? Mesmo assim, tentamos e damos o nosso máximo para que tudo saia perfeito, harmonioso e dentro dos limites prescritos.

Isso tudo é abstrato, mas, ao mesmo tempo, real porque fazemos isso a todo momento. Quem nunca planejou o que vai fazer no dia, na semana, no mês ou até no ano? Eu mesma faço isso, pois, como dizem as más línguas, eu abraço o mundo. Acabei me envolvendo de tal forma nas atividades extra-aulas que tenho um calendário mensal bem grande colado na parede para anotar meus compromissos. Se eu perdesse minha agenda estaria ferrada.

Mas como tudo tem suas incertezas e imprevisibilidades acabo não conseguindo administrar meu tempo e acabei percebendo meu limite. De quarta para quinta tive um colapso emocional causado por estresse. Claro que há outros fatores, mas eu não teria uma crise se as tarefas fossem divididas entre as pessoas o que não faria com que meu tempo ficasse apertado e o que não iria resultar num colapso. Como isso tudo é hipóteses, pois o que de fato ocorreu foi o limite ultrapassado, deixo aqui um recado:

Para aqueles que gostam de fazer muitas coisas e, normalmente, elas acontecem ao mesmo tempo, lembrem-se de que dormir, comer, namorar, tomar banho, assistir seu programa de TV favorito, fazer suas necessidades e lazer também tomam tempo! Se vocês forem fazer um planejamento do seu dia guarde uns momentos para você. Por exemplo, escrevi esse texto no caminho de volta a São Paulo quando estava no ônibus. Para mim este momento foi de relaxar e o tempo poderia, num desejo ingênuo, parar e os compromissos explodirem.