Há coisas na vida que acontecem apenas uma vez e pronto. Nunca mais.

Primeira vez sexual, por exemplo. É aquela e pronto. Ninguem volta a ser virgem, anatomicamente falando. E já deixo registrado que a primeira vez é uma porcaria, só a partir da segunda vez é que melhora.

Primeira vez que consegue andar de bicicleta sem rodinhas e sem ajuda. Depois, nunca mais esquece como andar. Não tem erro.

E encaixo mais uma situação nessa regra. A de conseguir assistir sozinho um filme no cinema. Isso mesmo, sozinho, só, sem ninguem. Essa situação aconteceu comigo nesta segunda-feira.

Eu, como bom nerd que sou, fui assistir Star Wars Clone Wars em plena segunda-feira, última sessão. Porque é o único horário que eu posso ir tranquilamente. Pode parecer que não, mas minha vida está bem atribulada.

Ok, ingresso comprado, bastou apenas esperar começar a sessão. Comecei a estranhar que ninguem mais entrava na sala. Uma sala que comporta entre 200 e 300 pessoas. As luzes se apagam, começar a passar o filme e… nada. Uma sala inteira de cinema, com um som bom, imagem boa. E eu.

Pirei. Fiz igual ao Pica-pau: andei no teto, anarquizei mesmo. Mas isso mentalmente, pois fisicamente eu estiquei os pés até a poltrona da frente, abri o sorriso na cara e fui feliz. Ganhei a semana.

E sobre o filme? Bem, leiam aqui a crítica do Barretão.