Será que somos capazes de amar incondicionalmente? Será que nosso amor dura para sempre?

Qual é o nosso equílibrio? Onde está nossa harmonia no meio desse caos? Quando que as coisas ficaram assim? A culpa é de quem?

Será então que preciso pensar nisso se o que eu sinto por você é tão claro para mim? Será quem em meio a tantas responsabilidades que temos, nós nos perdemos?

Será que nós nos perdemos? Será que vamos nos achar? Será que vamos ultrapassar esse obstáculo? Será que vamos sobreviver a nossa teimosia e gênios difícieis? Será que preciamos de um tempo?

Será que mudamos? Será que já não somos os mesmos depois de todo esse tempo? Será que tem coisas imutáveis?

Talvez seja melhor nem fazer todas essas perguntas. Talvez seja melhor refletir sempre e fazer com que as idéias se tornem mais claras e que muitas dessas perguntas se esclareçam. Nem sei mais o que pensar.