Acho que todo mundo aqui já ouviu falar em Santo Daime. Principalmente do famoso chá. Acredito até que quase todas as emissoras de televisão do Brasil já fez uma reportagem sobre isso. Se não todas, pelo menos as principais.

Pesquisando – e pensando o que escrever – sobre esse assunto, eu vi que eu já conhecia o famoso chá. Nunca tive oportunidade de experimentar, mas conheço vários amigos que experimentaram e me falaram como é a sensação. Eu conhecia como ayahuasca.

Segundo meu amigo Furlan, em suas próprias palavras: “Primeiro vem o efeito colateral (alias, acho que é a única droga que você se sente mal antes, e não depois) mas depois que passa, o corpo fica mais leve, parece que ele perde as fronteiras entende? É como se a pessoa, uma arvore e um pedaço de uma parede fossem tudo um corpo só, interligado, e você sente uma especie de ligação mais forte com a natureza e com as outras pessoas… Como se fosse uma grande quebra de todo aquele egoismo que a gente vai acumulando. No fim, você se sente mais puro, mais livre, mais independente de tudo aquilo que a sociedade te impõe“.

Ayahuasca é uma bebida inca produzida a partir da mistura de cipó mariri e chacrona. Para os que são contras, ela é uma bebida alucinógena. Os defensores chamam de enteógeno.

Eu já tinha lido algo a respeito nas antigas revistas Chiclete com Banana. Eu tenho algumas, acho que foi a melhor publicação de quadrinhos já produzidas nessa nossa terra tupiniquim. E de vez em quando a ayahuasca aparecia como uma bebida alucinogena. Na época, eu achava que o barato dela devia ser parecido com outro chá famoso: o chá de fitas. Agora sei que não é.

Ah, esqueci de explicar: Chiclete com Banana era uma revista criada por Angeli, mas rolava contribuições de outros cartunistas como o Laerte e o Glauco.

É até engraçado lembrar disso. Eu lembro de um leitor mandou uma carta reclamando que o pessoal estava relaxando na produção da revista. Eu não lembro por completo a resposta do Angeli, mas em uma parte ele falava “eu estou em crise, o Glauco caiu em um caldeirão de Santo Daime e não sai mais…”. E é por isso que eu coloquei aquela tira lá no inicio do post. É uma espécie de homenagem deturpada.

Finalmente entendi o que o Angeli quis dizer! Não vou explicar o Santo Daime nem a Ayahuasca. Tem site e pessoas que conseguem fazer isso com melhor qualidade do que eu. Eu até ia tentar, mas ler sobre isso me fez lembrar desse fato que escrevi linhas acima.

Para entender realmente:
Santo Daime
Ayahuasca


Henrique, sua vez de fazer o desafio. Peça para as pessoas sugerirem temas para você.