Segunda e terça-feira foi dias de recepção dos bixos que passaram na UNESP.

E como sempre, é aquela coisa: “Parabéns bixo. Vem aqui para ser pintado com guache. Cabelo comprido, hein, bixão… tá precisando de um corte. Rola na grama bixo, rola! Agora mergulha! Grita, bixo, grita!”

E com as bixetes não era muito diferente, mas a gente não cortava o cabelo nem pedia para rolar na grama.

E é gostoso ver a cara de felicidade deles. É realmente um momento único para eles.

Me fez lembrar quando eu passei na UNESP também. A quatro anos atrás. E como fui zuado no trote. Achei tinta guache, terra, e outra misturas loucas em quase todos os orificios existentes da cintura para cima!

Bons tempos de bixo…

Sabem quem é nessa foto? Eu! E as marcas de que ficaram no meu corpo após um dia todo pegando direito no semáforo, para a festas dos bixos. A quatro anos, claro. E isso é só nas costas. Imaginem no resto do corpo!